Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Vol. 52 nº 5 - Set. / Out.  of 2019

ARTIGO ORIGINAL
Print 

Page(s) 287 to 292



Invasão microvascular no carcinoma hepatocelular: é possível predizer pelos parâmetros quantitativos da tomografia computadorizada?

Autho(rs): Daniel Lahan-Martins1; Simone Reges Perales2; Stephanie Kilaris Gallani3; Larissa Bastos Eloy da Costa4; Eduardo Andreazza Dal Lago5; Ilka de Fátima Santana Ferreira Boin6; Nelson Marcio Gomes Caserta7; Elaine Cristina de Ataide8

PDF English

Texto em Português English Text

Descritores: Carcinoma hepatocelular; Tomografia computadorizada; Neoplasias hepáticas/cirurgia; Transplante de fígado.

Keywords: Carcinoma, hepatocellular; Tomography, X-ray computed; Liver neoplasms/surgery; Liver transplantation.

Resumo:
OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi investigar se parâmetros quantitativos da tomografia computadorizada (TC) podem predizer invasão microvascular (IMV) no carcinoma hepatocelular (CHC).
MATERIAIS E MÉTODOS: Foram analisados, retrospectivamente, 200 CHCs comprovados de 125 pacientes submetidos consecutivamente a transplante ou ressecção hepática entre março/2010 e novembro/2017. Foram realizadas medidas quantitativas da densidade das lesões e do parênquima hepático adjacente pré-contraste e nas fases arterial, portal e de equilíbrio das TCs. Parâmetros de impregnação foram comparados com a presença de IMV nos laudos anatomopatológicos. Regressões logísticas univariadas e multivariadas foram utilizadas para avaliar os parâmetros da TC como potenciais preditores de IMV.
RESULTADOS: Dos 200 CHCs, 77 (38,5%) tinham IMV no anatomopatológico. Não houve diferença estatística na razão de atenuação entre CHCs com IMV e os sem IMV na fase portal (114,7 para IMV positiva e 115,8 para IMV negativa) ou de equilíbrio (126,7 para IMV positiva e 128,2 para IMV negativa), nem na razão de washout relativa nas fases portal e de equilíbrio (15,0 para IMV positiva e 8,2 para IMV negativa na fase portal, e 31,4 para IMV positiva e 26,3 para IMV negativa na fase de equilíbrio).
CONCLUSÃO: Não houve relação entre os parâmetros quantitativos da TC pré-operatória e IMV dos CHCs.

Abstract:
OBJECTIVE: To investigate whether quantitative computed tomography (CT) measurements can predict microvascular invasion (MVI) in hepatocellular carcinoma (HCC).
MATERIALS AND METHODS: This was a retrospective analysis of 200 cases of surgically proven HCCs in 125 consecutive patients evaluated between March 2010 and November 2017. We quantitatively measured regions of interest in lesions and adjacent areas of the liver on unenhanced CT scans, as well as in the arterial, portal venous, and equilibrium phases on contrast-enhanced CT scans. Enhancement profiles were analyzed and compared with histopathological references of MVI. Univariate and multivariate logistic regression analyses were used in order to evaluate CT parameters as potential predictors of MVI.
RESULTS: Of the 200 HCCs, 77 (38.5%) showed evidence of MVI on histopathological analysis. There was no statistical difference between HCCs with MVI and those without, in terms of the percentage attenuation ratio in the portal venous phase (114.7 vs. 115.8) and equilibrium phase (126.7 vs. 128.2), as well as in terms of the relative washout ratio, also in the portal venous and equilibrium phases (15.0 vs. 8.2 and 31.4 vs. 26.3, respectively).
CONCLUSION: Quantitative dynamic CT parameters measured in the preoperative period do not appear to correlate with MVI in HCC.


 
RB RB RB
GN1© Copyright 2019 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554