Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Vol. 53 nº 1 - Jan. / Fev.  of 2020

EDITORIAL
Print 

Page(s) 1 to 1



Radiologia Brasileira: a constante luta para o seu aprimoramento

Autho(rs): Edson Marchiori1,a; Valdair Francisco Muglia2,b

PDF Português      

PDF English

Texto em Português English Text

Tem sido meta prioritária dos editores e das últimas diretorias do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) o aprimoramento da Revista Radiologia Brasileira (RB) e a sua indexação em bancos internacionais. Este tem sido também o objetivo de praticamente todas as revistas médicas mais importantes, nacionais e internacionais(1).

As modificações promovidas pela CAPES no seu sistema de avaliação dos programas de pós-graduação vieram trazer para o cenário nacional o que já é realidade no universo científico internacional: o crescente papel do Scopus/Scimago, base de dados criada pela Elsevier, que vem se tornando cada vez mais estruturada e comparável à mais tradicional e até recentemente única, a amplamente usada base Web of Science (antes pertencente à empresa Thomson Reuters, agora parte do grupo Clarivate Analytics), a partir da qual se elabora, anualmente, o Journal Citation Reports (JCR), que é a referência de citações mais utilizada para o cálculo do fator de impacto de um periódico. A base Scimago vem se firmando por abranger um número maior de publicações científicas, incluindo todas as da base Web of Science. Ela abrange cerca de duas vezes mais revistas que a base da Clarivate, procedentes de um número três vezes maior de países(2).

As revistas científicas são classificadas basicamente pelo seu fator de impacto (calculado pela base Web of Science-JCR) ou pelo fator equivalente calculado pela base Scimago, que é o cites/doc. Os dois fatores têm fórmula de cálculo semelhante: a medida do impacto de uma revista é calculada pelo número de citações que os artigos publicados receberam em um determinado ano(2,3).

A partir de 2012/2013, quando a RB foi indexada na base de dados Scopus/Scimago, e de 2015, quando foi indexada no PubMed Central, a nossa revista vem tendo um crescimento progressivo do seu fator de impacto, medido pela Scimago. Esse fator, que era 0,669 em 2014, passou para 2,868 em 2018. Tal fato colocou a RB em situação privilegiada no ranking da Scimago: ela ficou classificada, em 2019, como a 59ª revista de Radiologia entre 328 revistas do mundo todo, e como a revista médica de maior impacto na América Latina, entre 207 revistas indexadas, se consideramos o critério cites/doc dos últimos dois anos(4).

Os autores e pesquisadores na área da Radiologia, com ênfase especial aos que participam de programas de pós-graduação stricto sensu avaliados pela CAPES, se beneficiam muito com esses avanços na qualificação da revista, não só na avaliação dos programas a que pertencem, como nas suas avaliações pessoais, quando solicitarem bolsas de pesquisa aos órgãos de fomento. Em contrapartida, todos podem dar a sua contribuição para o avanço deste processo: a única forma de a revista continuar subindo nesta classificação, melhorando cada vez mais o seu impacto, é nos conscientizarmos a citá-la cada vez mais em nossos artigos científicos publicados em outras revistas indexadas. Deve ser destacado, também, que só interessam citações dos dois anos anteriores ao ano corrente(1–3). Para que se tenha uma idéia do crescimento do prestígio da revista, em 2014 recebemos apenas 35 citações em outras revistas indexadas. Em 2018, esse número subiu para 192, com um aumento de 450%.

Os Editores da RB e a Diretoria do CBR contam e precisam da ajuda de todos para que a revista se imponha, de forma sólida e consistente, no cenário científico internacional, mas, e muito mais importante, que se torne cada vez mais útil e agradável para o seu objetivo final e maior, que é o leitor.


REFERÊNCIAS

1. Marchiori E. Mudanças na Radiologia Brasileira para 2015. Radiol Bras. 2015;48(1):v.

2. Marchiori E. Radiologia Brasileira: boas notícias para os pesquisadores nacionais. Radiol Bras. 2013;46(3):v.

3. Kimura ET. ABE&M and impact factor. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2008; 52:925–6.

4. Scimago Journal & Country Rank. [cited 2019 Nov 18]. Available from: https://www.scimagojr.com/journalrank.php?area=2700&country=Latin%20America&order=cpd&ord=desc.










1.Editor Chefe da Radiologia Brasileira. E-mail: edmarchiori@gmail.com
2. Diretor Científico do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem. E-mail: valdair.muglia@gmail.com

a. https://orcid.org/0000-0001-8797-7380
b. https://orcid.org/0000-0002-4700-0599

Data de publicação: 27/01/2020.
 
RB RB RB
GN1© Copyright 2020 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554