Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Vol. 39 nº 6 - Nov. / Dez.  of 2006

RESUMO DE TESE
Print 

Page(s) 412 to 412



PDF Português      

Texto em Português English Text

Apesar de a tomografia computadorizada e a ressonância magnética serem importantes na identificação de alguns aspectos do osteossarcoma parosteal, a radiologia convencional é altamente sugestiva deste tumor e permite, na maior parte dos casos, o diagnóstico diferencial com outras lesões da superfície óssea.

 

Aspectos radiológicos e epidemiológicos do granuloma central de células gigantes

 

 

Autor: José Wilson Noleto Ramos Júnior.
Orientadores: Edson Marchiori, Renato Kobler Sampaio.
Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006.

Neste estudo foram avaliados, retrospectivamente, os aspectos epidemiológicos e radiológicos de 26 lesões de células gigantes (granulomas centrais de células gigantes e tumores marrons do hiperparatireoidismo) observadas em 22 pacientes, diagnosticadas e tratadas no Serviço de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário Pedro Ernesto – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, no período compreendido entre janeiro de 1990 e junho de 2004.

Os prontuários, radiografias e laudos histopatológicos foram avaliados e revisados.

Os pacientes foram classificados em dois grupos. Os do grupo A, composto de 17 pacientes, não apresentavam evidências de hiperparatireoidismo, e os 5 do grupo B eram portadores de tal distúrbio. O sexo feminino (72,7%) foi mais acometido do que o sexo masculino (27,3%). As lesões ocorreram com maior freqüência em pacientes da segunda e terceira décadas de vida, com média de idade de 27 anos. Dos três pacientes que apresentavam mais de uma lesão, um pertencia ao grupo A e dois, ao B. A mandíbula (61,5%) foi mais acometida do que a maxila (38,5%). Na mandíbula, a região do corpo apresentou 75% das lesões, a anterior, 18,7%, e a do ramo, 6,3%. Na maxila, 60% das lesões ocorreram na região anterior e 40%, na posterior. Radiograficamente, 57,7% das lesões eram multiloculares e 42,3%, uniloculares. Na mandíbula, 56,3% das imagens tinham aspecto multilocular e 43,7%, uniloculares. Na maxila, as imagens multiloculares corresponderam a 60% e os 40% restantes eram uniloculares. Todas as 26 lesões diagnosticadas provocaram expansão de cortical óssea, sendo que 15,4% produziram reabsorção das raízes dos dentes vizinhos, 50% causaram deslocamento dentário e 11,5% estavam relacionadas a sintomas dolorosos. Na mandíbula, 18,7% das lesões cruzaram a linha média. Os pacientes que não apresentavam hiperparatireoidismo (grupo A) apresentaram 66,7% das lesões na mandíbula e 33,3% na maxila, ao passo que os pacientes com tal distúrbio (grupo B) mostraram igualdade em relação à distribuição das lesões entre os arcos. O grupo A apresentou 66,7% de lesões multiloculares e 33,3% de uniloculares. O grupo B apresentou 62,5% de lesões uniloculares e 37,5% de lesões multiloculares. Dos pacientes do grupo B, 80% não apresentavam sinais e/ou sintomas de tal distúrbio, a não ser as lesões dos maxilares.


 
RB RB RB
GN1© Copyright 2022 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554