Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Vol. 39 nº 6 - Nov. / Dez.  of 2006

RESUMO DE TESE
Print 

Page(s) 396 to 396



PDF Português      

Texto em Português English Text

Como destaque dos resultados, identificaram-se variantes anatômicas em padrão duplo paralelo, raramente descritas na literatura, que ocorreram no sulco pós-central em 5/25 casos (20%) à direita e em 6/25 (24%) à esquerda. O sulco intraparietal em padrão duplo paralelo foi encontrado em 1/25 casos (4%) à direita e em nenhum caso à esquerda. O sulco temporal superior em padrão duplo paralelo foi encontrado em 5/25 casos (20%) à direita e 2/25 casos (8%) à esquerda. Entre os sulcos cerebrais que são pouco citados nos livros tradicionais de anatomia, foram identificados os sulcos: frontomarginal, frontoorbital, angular, occipital anterior, parietal superior e o occipital transverso. Todos eles foram encontrados em alta incidência na nossa casuística, principalmente o sulco frontomarginal, que foi identificado em 100% dos casos (25/25) bilateralmente.

Concluiu-se que a metodologia empregada para a reconstrução de um modelo tridimensional do cérebro mostrou-se exeqüível. A metodologia para analisar e classificar os sulcos do telencéfalo no modelo tridimensional do cérebro permitiu o mapeamento dos sulcos cerebrais, com boa concordância entre os dois observadores. Foi possível identificar e descrever os principais sulcos cerebrais e suas variantes anatômicas.

 

Distinção entre os tipos 1 e 2 de tireotoxicose associada à amiodarona por meio de dúplex-Doppler colorido

 

 

Autor: Túlio Augusto Alves Macedo.
Orientadora: Maria Cristina Chammas.
Tese de Doutorado. São Paulo: FMUSP, 2006.

INTRODUÇÃO: A amiodarona pode causar tireotoxicose, principalmente em áreas geográficas onde a ingestão de iodo é insuficiente. Dois tipos distintos de tireotoxicose associada à amiodarona (TAA) podem ser encontrados: A) o tipo 1 – a doença é secundária à sobrecarga de iodo (fenômeno Jod-Basedow), geralmente encontrada em indivíduos com doença tireóidea preexistente; B) o tipo 2 – quando a tireotoxicose deve-se a uma tireoidite destrutiva, com ruptura folicular e liberação do conteúdo folicular. A distinção entre os dois tipos é fundamental para a conduta terapêutica. Este estudo transversal, realizado no Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, entre janeiro de 2004 e março de 2006, objetivou: A) demonstrar a utilidade da densidade de pixels coloridos (DPC), parâmetro objetivo obtido por meio de programa de computador, na distinção entre os dois tipos de TAA; B) determinar os melhores critérios objetivos de distinção entre os dois tipos de TAA por meio da ultra-sonografia dúplex-Doppler colorido da tireóide; C) conhecer o grau de concordância intra-observadores e interobservadores dos padrões subjetivos de vascularização do parênquima tireóideo.
MÉTODOS: Foram examinadas 158 glândulas tireóideas por meio de dúplex-Doppler colorido. Após passagem pelos critérios de seleção, 134 indivíduos foram divididos em quatro grupos: grupo N (n = 84), grupo A (n = 30), grupo I (n = 14) e grupo II (n = 9), compostos por indivíduos normais, eutireóideos em uso de amiodarona, pacientes com tireotoxicose tipos 1 e 2, respectivamente. Todos os indivíduos foram submetidos ao estudo dúplex-Doppler colorido da tireóide e testes laboratoriais. Os pacientes em tireotoxicose também realizaram captação de iodo radioativo em 24 horas.
RESULTADOS: No grupo I, tanto a densidade de pixels coloridos (DPC = 17,22 ± 18,62 cm/s) e inferiores (VSTI = 35,35 ± 18,08 cm/s) foram maiores do que nos demais grupos (p < 0,05). As análises de concordância do padrão subjetivo de vascularização do parênquima tireóideo mostraram coeficientes kappa ponderado (kw) variando de 0,78 a 0,79 para intra-observadores e de 0,83 a 0,86 para interobservadores.
CONCLUSÕES: A) A DPC tem, isoladamente, boa capacidade para distinguir os dois tipos de TAA. B) Os melhores critérios objetivos na distinção entre TAA tipos 1 e 2 são a DPC e as velocidades de pico sistólico nas artérias tireóideas. C) As análises subjetivas dos padrões de vascularização apresentam boa concordância, tanto intra-observadores quanto interobservadores.


 
RB RB RB
GN1© Copyright 2022 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554