Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Ahead of Print

Print 

Page(s) 1 to 2



Neurólise percutânea de plexo celíaco guiada por tomografia computadorizada: descrição técnica

Autho(rs): Renata Motta Gruberta; Tiago Kojun Tibanab; Larissa Araújo Missirianc; Thaline Mairace Hernandez das Nevesd; Thiago Franchi Nunese

PDF Português      

PDF English

Texto em Português English Text

INTRODUÇÃO

A dor abdominal é um problema debilitante significativo e comum em pacientes oncológicos, afetando dramaticamente a qualidade de vida e a sobrevida(1,2). A dor que se origina das vísceras do abdome superior é transmitida por fibras aferentes viscerais que retransmitem os impulsos através dos nervos esplâncnicos e do plexo celíaco. O termo plexo celíaco refere-se a uma rede de fibras nervosas localizadas no retroperitônio, ao longo da parede anterolateral da aorta (Figura 1A)(2,3).


Figura 1. A: Ilustração demonstrando a localização do plexo celíaco. B: TC axial demonstrando algumas vias de acesso: anterior trans-hepática (seta azul), posterior transintervertebral (seta vermelha), posterior transaórtica (seta verde).



O manejo da dor abdominal relacionada ao câncer é um tema complexo e desafiador e, muitas vezes, requer o uso crônico de opioides em altas doses, que, por sua vez, geralmente estão associados a vários efeitos adversos(1,2). Terapias instituídas utilizando métodos percutâneos guiados por métodos de imagem reduzem a necessidade de analgésicos potentes e a sua toxicidade associada, entretanto, esses procedimentos são pouco difundidos e subutilizados(1,4–8).

A neurólise do plexo celíaco (NPC) é uma técnica que proporciona interrupção permanente da transmissão da dor do plexo por meio de ablação química, podendo potencialmente melhorar o controle da dor e, ao mesmo tempo, reduzir drasticamente o consumo de opioides(9,10). A NPC consiste na infusão de um agente neurolítico, geralmente álcool absoluto estéril, por meio de uma agulha fina inserida no retroperitônio, adjacente a fibras nervosas e gânglios do plexo celíaco. A medicação neurolítica interrompe a rede neural, destruindo as vias de dor(2,11). A orientação por imagem para a NPC é mais comumente realizada por tomografia computadorizada (TC), que vem substituindo o uso de técnicas guiadas por fluoroscopia ou ultrassonografia(2,12).


PROCEDIMENTO

O primeiro passo na NPC guiada por TC é o planejamento pré-procedimento. Imagens pré-operatórias devem ser revisadas detalhadamente com a finalidade de determinar a posição do paciente, o local da punção, o caminho da agulha e o local da injeção do neurolítico (Figura 1B). O planejamento garante que o agente seja adequadamente distribuído, aumenta o efeito analgésico e reduz a morbidade. O posicionamento adequado do paciente é essencial para um procedimento bem-sucedido, pois, além de determinar um trajeto percutâneo seguro, também garante o conforto do paciente.

A NPC pode ser realizada por diferentes técnicas, como via anterior, via posterior, sendo a abordagem paravertebral posterior bilateral a mais frequentemente utilizada (Figura 2A). Procede-se a anestesia local no ponto da punção, sob sedação com benzodiazepínico ou opioide e oxigenoterapia por cateter nasal.


Figura 2. A: TC axial com paciente em decúbito oblíquo mostrando punção posterior paravertebral bilateral, adjacente à aorta (Ao), ao nível do tronco celíaco, utilizando agulha Chiba 22G. B: Correta distribuição da solução de álcool absoluto e contraste iodado (asteriscos).



Após a punção guiada por TC e certificação do correto posicionamento da(s) agulha(s) com injeção ou não de 1–2 mL de contraste iodado, realiza-se a infusão com volume total de 40–60 mL de solução neurolítica de álcool absoluto (Figura 2B). Em nosso serviço, adicionalmente utilizamos 2–3 mL de lidocaína a 1% sem vasoconstritor antes e após a injeção do álcool.

A NPC é uma ferramenta segura e eficaz para o manejo da dor paliativa, com taxa relativamente baixa de complicações. Deve ser oferecida a pacientes como um componente chave da abordagem multidisciplinar para o controle da dor abdominal crônica intratável. O uso apropriado e o conhecimento dos exames de imagem e da técnica são inestimáveis para garantir bons resultados.


REFERÊNCIAS

1. Sindt JE, Brogan SE. Interventional treatments of cancer pain. Anesthesiol Clin. 2016;34:317–39.

2. Kambadakone A, Thabet A, Gervais DA, et al. CT-guided celiac plexus neurolysis: a review of anatomy, indications, technique, and tips for successful treatment. Radiographics. 2011;31:1599–621.

3. Cornman-Homonoff J, Holzwanger DJ, Lee KS, et al. Celiac plexus block and neurolysis in the management of chronic upper abdominal pain. Semin Intervent Radiol. 2017;34:376–86.

4. Nunes TF, Tibana TK, Santos RFT, et al. Percutaneous insertion of bilateral double J stent. Radiol Bras. 2019;52:104–5.

5. Tibana TK, Grubert RM, Santos RFT, et al. Percutaneous nephrostomy versus antegrade double-J stent placement in the treatment of malignant obstructive uropathy: a cost-effectiveness analysis from the perspective of the Brazilian public health care system. Radiol Bras. 2019;52:305–11.

6. Nunes TF, Tibana TK, Pereira MES, et al. Treatment of extrahepatic biliary fistulas using n-butyl cyanoacrylate. Radiol Bras. 2019; 52:174–5.

7. Meira MS, Barbosa PNVP, Bitencourt AGV, et al. Retrospective analysis of computed tomography-guided percutaneous nephrostomies in cancer patients. Radiol Bras. 2019;52:148–54.

8. Falsarella PM, Rocha RD, Rahal Junior A, et al. Minimally invasive treatment of complex collections: safety and efficacy of recombinant tissue plasminogen activator as an adjuvant to percutaneous drainage. Radiol Bras. 2018;51:231–5.

9. Wyse JM, Chen YI, Sahai AV. Celiac plexus neurolysis in the management of unresectable pancreatic cancer: when and how? World J Gastroenterol. 2014;20:2186–92.

10. Sachdev AH, Gress FG. Celiac plexus block and neurolysis: a review. Gastrointest Endosc Clin N Am. 2018;28:579–86.

11. Eisenberg E, Carr DB, Chalmers TC. Neurolytic celiac plexus block for treatment of cancer pain: a meta-analysis. Anesth Analg. 1995; 80:290–5.

12. Wang PJ, Shang MY, Qian Z, et al. CT-guided percutaneous neurolytic celiac plexus block technique. Abdom Imaging. 2006;31:710–8.










Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (HUMAP-UFMS), Campo Grande, MS, Brasil

a. https://orcid.org/0000-0001-6713-2575
b. https://orcid.org/0000-0001-5930-1383
c. https://orcid.org/0000-0001-5688-1028
d. https://orcid.org/0000-0002-6172-5465
e. https://orcid.org/0000-0003-0006-3725

Correspondência:
Dr. Tiago Kojun Tibana
Avenida Senador Filinto Müller, 355, Vila Ipiranga
Campo Grande, MS, Brasil, 79080-190
E-mail: tiagotibana@hotmail.com

Recebido para publicação em 16/1/2019.
Aceito, após revisão, em 22/2/2019.

Data de publicação: 27/01/2020.
 
RB RB RB
GN1© Copyright 2020 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554