Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Ahead of Print

Print 

Page(s) 1 to 6



Taxa de progressão de lesões císticas renais complexas Bosniak II-F

Autho(rs): Amanda de Vasconcelos Chambi Tames1,a; Eduardo Kaiser Ururahy Nunes Fonseca2,b; Fernando Ide Yamauchi3,c; Gabriela Maia Soares Messaggi Arrais4,d; Thais Caldara Mussi de Andrade5,e; Ronaldo Hueb Baroni6,f

PDF English

Texto em Português English Text

Descritores: Tomografia computadorizada; Ressonância magnética; Cistos/classificação; Carcinoma de células renais; Rim/diagnóstico por imagem.

Keywords: Tomography, X-ray computed; Magnetic resonance imaging; Cysts/classification; Carcinoma, renal cell; Kidney/diagnostic imaging.

Resumo:
OBJETIVO: Avaliar a taxa de progressão das lesões císticas renais complexas Bosniak II-F e a taxa de neoplasia maligna nas lesões ressecadas cirurgicamente.
MATERIAIS E MÉTODOS: Realizamos uma pesquisa no banco de dados da nossa instituição reunindo lesões císticas renais complexas classificadas como Bosniak II-F em exames de tomografia computadorizada ou ressonância magnética, de janeiro de 2008 a abril de 2016. Foram utilizados exames de acompanhamento (tomografia computadorizada ou ressonância magnética) para avaliar a progressão na categoria Bosniak, com um mínimo de seis meses de estabilidade. Os relatórios de patologia foram utilizados como referência para avaliar a taxa de neoplasia maligna de lesões ressecadas cirurgicamente. RESULTADOS: Um total de 152 lesões em 143 pacientes foi incluído na análise final. Sete lesões foram reclassificadas em estudos de acompanhamento (4,6%) e o tempo médio de progressão foi de 20 meses (1 mês a 4 anos). Três pacientes tiveram cistos ressecados cirurgicamente, todos diagnosticados como carcinoma de células renais: um do subtipo células claras e dois papilíferos, todos de baixo grau. As 145 lesões restantes permaneceram inalteradas, com seguimento médio de 28 meses (6 a 118 meses).
CONCLUSÃO: A taxa de progressão nos cistos categoria Bosniak II-F foi baixa. Mesmo as lesões que tiveram upgrade da categoria de Bosniak no seguimento permaneceram estáveis, indicando um comportamento indolente. Nossos dados apoiam a ideia de tratamento conservador do cisto renal Bosniak II-F.

Abstract:
OBJECTIVE: To evaluate progression rate of Bosniak category IIF complex renal cysts and the malignancy rate among surgically resected cysts.
MATERIALS AND METHODS: We performed a database search for complex renal cysts classified as Bosniak category IIF on computed tomography or magnetic resonance imaging between January 2008 and April 2016. Follow-up examinations (computed tomography or magnetic resonance imaging) were used in order to evaluate progression (Bosniak category reclassification) and stability, the latter being defined as remaining stable for a minimum of six months. Pathology reports were used as the reference to assess the malignancy rate of surgically resected cysts.
RESULTS: A total of 152 cysts in 143 patients were included in the final analysis. Seven cysts (4.6%) were reclassified on follow-up studies, and mean time to progression was 20 months (range, 1 month to 4 years). Three cysts were surgically resected. All three were diagnosed as low-grade malignant renal cell carcinomas (RCCs): one clear cell RCC and two papillary RCCs. The remaining 145 cysts remained unchanged after a mean follow-up period of 28 months (range, 6 to 118 months).
CONCLUSION: The progression rate in Bosniak category IIF cysts was low. Even lesions that were upgraded on follow-up remained stable, indicating an indolent behavior. Our data support the idea of conservative management of Bosniak IIF renal cyst.


 
RB RB RB
GN1© Copyright 2019 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554